Märchenbuilder

I have been thinking of moving out of Sao Paulo, but then there comes the Piano Recital Series coordinated by the Brazilian Sculpture Museum (“Museu Brasileiro da Escultura”) and surprises me once more. Beautiful initiative, always coming up with an interesting musician and a great repertoire to be tasted. This time a very well known composer – of those we sometimes think that we have already appreciated every piece. And there comes Robert Schumann and his Märchenbilder, Opus 113 (March, 1851).

There are four movements, each of them written after an unique fairy tale. What a lovely dialogue between the piano and the viola! The slow last movement “with melancholy” is specially suggestive of peace and reconciliation, two words that work great with the awaken of the sleeping beauty. Beautiful gift by the hands of Mrs. Liliane Kans (piano) and Mr. Abrahão Saraiva (viola). Perfect sunday afternoon!

Now, better than talking about music is listening, so I offer you here then a youtube version of Schumann’s Märchenbuilder, by the skilful hands of Mr. Sviatoslav Richter (piano) and Mr. Yuri Bashmet (viola). Seat back and enjoy!

 

Spread the word:

Music to the… eyes?!

The intention was to share a bit of my experience shooting the NYE fireworks in London. But then, I could not help but think of the incredible ballet of images as if they we part of a great Sonata… So, how about you imagine the sound of the fireworks, mixed with sounds of happiness all around, and bells from a distant church? Now, here you have a couple of pictures to help setting the scene… 🙂

1. Prelude – Allegro appassionato

NYE 2014 @ London Eye
NYE 2014 @ London Eye – 1

 

 

 

 

 

 

 

 

2. Andante un poco adagio – Allegretto grazioso

NYE @ London Eye - 2
NYE @ London Eye – 2

 

 

 

 

 

 

 

 

3. Finale – Allegro vivace!

IMG_3334

 

 

 

 

 

 

 

Happy 2015! 🙂

Spread the word:

Horowitz para sempre

Vladimir_Horowitz_1986Neste primeiro de outubro, em 1903, um músico notável nasceu em Kiev, que na época era parte do Império Russo (hoje Ucrânia). Ao contrário de outros pianistas destacados, Horowitz fez seu primeiro recital solo já com avançados 17 anos. Ele sonhava ser compositor e deu concertos apenas para ajudar financeiramente sua família durante os anos de Guerra Civil, muito embora sabe-se que durante seu tour pela Rússia, o jovem era pago em chocolates, pão e manteiga – e não em espécie. Tempos duros.

Intencionado a sair numa viagem sem volta, Horowitz começou seus concertos internacionais por Berlin, passando por Paris, Londres, e se estabelecendo finalmente em Nova York. Ele foi muito celebrado e desde o início adorado nos Estados Unidos. Não seguiu carreira como compositor mas casou-se com a filha de um grande regente da época: Wanda, filha de Arturo Toscanini. Existem sérias desconfianças de que Horowitz fosse homossexual e tenha lutado durante boa parte de sua vida para “mudar” esta orientação. Como era de se esperar para uma figura tão pública, muitas foram as investidas da imprensa para “investigar” este tema, e célebre se tornou sua resposta marota para uma delas: “Existem três tipos de pianistas: pianistas judeus, pianistas homossexuais, e maus pianistas”.

Horowitz é especialmente aclamado por sua interpretação do repertório romântico para piano. Eu particularmente acho dignas de nota suas interpretações de Schumann, especialmente o Kinderszenen (Cenas Infantis, Opus 15). Ah, e o que dizer da habilidade incrível entre fortíssimos e pianíssimos na Polonaise (em A bemol maior, Opus 53 “Heróica”) de Chopin? Encontrará a Sonata para Piano de Mozart (C maior, KV 330) melhor acolhida do que as mãos e a sensibilidade de Horowitz? Acho pouco provável, e a ela meu entusiasmo com seu repertório marcante se juntaria a uma longa lista de outras citações que desenharam minha vida de ouvinte amadora.

A crítica especializada considera até hoje – mais de 80 anos e de 100 outras gravações mais recentes – a gravação da Sonata de Franz Liszt (B menor) , feita por Horowitz em Londres (Studio Abbey Road, 1932), como insuperável.

Fecho este post de 111 anos de um dos meus principais ídolos na música de concerto, com esta gravação de 1932, aqui transferida do original de 78 rpm. Happy Birthday, Mr. Horowitz!

 

Spread the word:

Musical Sudoku

My friends do know I am passionate about resolving sudoku puzzles. Maybe not as much as I am about concert music nevertheless. So they just sent me one of those interesting ideas combining both worlds: a musical sudoku! I found it super cool and here I am sharing it with you at LesAmis. Have fun!

musicsudoku

 

 

 

 

 

 

 

 

Rules:

  • You can use the notes C-C#-D-D#-E-F-Gb-Ab-Bb-B
  • No enharmonics
Credit: Music Whiz’s Blog! (http://musicwhizs.blogspot.de)
Spread the word:

Chez LesamisdelaMusique.Sheilamaceira.com!

Depois de longos anos hospedados no Blogger o LesAmis está agora de casa nova! A ideia é tornar a edição e manutenção por aqui mais simples e integrada ao nosso novo endereço. Seja bem-vindo!

Spread the word:

quem são os melhores alfaiates do mundo?

Segundo a comunidade judaica de um pequeno vilarejo na Europa oriental, palco para o Train de Vie (França, 1998) do diretor Radu Mihaileanu, os melhores alfaiates do mundo são os judeus, claro! Train de Vie talvez tenha sido o filme mais judeu que já assisti – além de deliciosamente divertido. Nas palavras da comunidade – em iídiche shtetl, ou “cidadezinha” – iídiche é alemão bem-humorado. Me impressionei com a leveza do script, apesar do peso do tema subliminar: a caça de judeus pelos nazistas. A trilha sonora não deixa por menos. Fica como a dica do dia, vale a pena! 🙂

Spread the word:

diapason d’or para osesp

notícia fresquinha diretamente de paris: nossa osesp ganhou nada menos que um diapason d’or pela gravação integral dos choros do nosso brasileiríssimo compositor heitor villa-lobos. hora de celebrar! parabéns para a Osesp!

Spread the word:

Ich bin zurück! :)

sim, sim, cá estou novamente postando do meu mac na varanda de casa… oba! 🙂
foram pouco menos de duas semanas entre alemanha e áustria – sem contar a espanha que usei apenas como porta de entrada e saída dessa vez – mas muitos assuntos musicais e fotos para compartilhar. vou postando aos poucos, mas já adiantando o que vem por aí…

  • relatos (e fotos!) de uma belíssima noite no Musikverein de Viena para assistir ao Wiener Mozartorchester
  • uma visita incrível na Haus der Musik de Viena
  • um tour completo pelos sites que poderiam perfeitamente ter feito parte da rotina do mestre Mozart em sua temporada vienense incluindo a Mozarthaus (passando pelas casas, templo teutônico, igrejas e sites de estréia de grandes obras, etc)
  • relatos de uma pequena opereta especialíssima feita pelos mestres da Figurentheater am Burgtor em Rothenburg (Aladin und die Wunderlampe)
  • uma belíssima homenagem a Gustav Mahler em exibição na Haus der Musik (Wien)
  • uma rápida experiência com um estupendo piano de concerto disponível no café da Haus der Musik

Puxa, tem mesmo muita coisa bacana. E muita coisa que eu perdi também – porque cidade culturalmente brilhante tem o desafio de apresentar excelentes opções de entretenimento em horários conflitantes, o que faz da vida do público uma rotina difícil de fazer escolhas! 🙂
Agora que eu já dei um oi, vou guardar detalhes para próximos posts. Meu fuso ainda está trocado e eu estou morrendo de sono! 🙂

Spread the word:

curtinha para falar da madonna

repetir pela oitava vez a façanha de estar à frente de uma turnê mundial (a oitava de sua carreira) lotando um estádio de 40 mil lugares aos cinquenta anos ainda dançando muito e como o mundo a conheceu na primeira não é coisa para qualquer um. programada para aterrissar em terra brasilis em dezembro próximo, falo da turnê do álbum sticky & sweet, da madonna. discussões estilísticas à parte, acho espetacular ver uma artista pop chegar aos cinquenta com uma carreira consistente, tendo se mantido na crista da onda deste universo através de um trabalho sempre inovador, de vanguarda.

Spread the word: