Chopin 205!

Nesta data 22 de fevereiro, no ano de 1810 – embora na incerteza da época há quem defenda que foi em 01 de março do mesmo ano – nascia nos arredores de Warsaw, na Polônia, o pianista e compositor Fryderyk Franciszek Chopin, que o mundo conhece por seu nome francês, Frédéric François Chopin. Um dos símbolos máximos do período da música conhecido por Romantismo, talentoso e extremamente reservado, em 18 anos de sua carreira na França, deu cerca de 30 concertos apenas em grandes salas – tímido, preferia o acolhedor ambiente do ambiente de câmara dos salões privados. Permanece um ídolo em sua pátria natal, de onde se mudou aos 21 anos por apoiar o ideal revolucionário contra a política da época, e dá nome ao aeroporto mais importante da Polônia até hoje.

E para celebrar o gênio em seu 205o. aniversário, deixo aqui um recorte do filme “À Noite Sonhamos” – do original em inglês “A Song to Remember“, de 1945 no olhar do diretor húngaro Károly Vidor, com 6 indicações ao Oscar e 1 estatueta ganha por Melhor Filme Estrangeiro. Neste recorte, Chopin chega com seu professor ao escritório do Sr. Pleyel, em Paris, 11 anos após uma correspondência trocada entre eles, onde o professor pedia espaço para apresentar seu aluno talentoso. O Sr. Pleyel logo mostra que não tem mais interesse em Chopin, até que na sala ao lado, ninguém menos do que Franz Liszt, em visita ao mesmo escritório e tendo encontrado uma partitura que considerou interessante aberta sobre o piano, começa a tocá-la a elogiá-la. Endosso feito, nasce uma amizade e a oportunidade de Chopin em Paris.

Vale lembrar que este encontro muito provavelmente não aconteceu desta maneira, uma vez que Liszt era um pianista ligado ao fabricante Érard, então concorrente do fabricante Pleyel. Lembre-se então desta “licença poética” e aproveite a deliciosa cena de suposto encontro entre os dois gênios. Divirta-se!

Playing for Change in Sao Paulo!

If I were to start writing these lines highlighting how much I love this PFC initiative and the band, let us face the truth: no news, right? So let me share something new: they are about to start off the music teaching program in Curitiba pretty soon! This is very good news, huh? 🙂

It means that kids in the Curitiba area will soon get a chance to change their lives at once. It is as the song says… “Freedom and justice, is the melody that let us shine on. If you feel it, through the music, we can make this world a better place!”

May you always find courage and good heart reception so that together we can transform the world!

Now, the gift: a couple of minutes of live energy from PFC and the crowd at Bourbon Street Sao Paulo, Brazil. Thank you very much, guys! You’re awesome! 🙂

Night and Day in Sao Paulo

Last evening we took advantage of the beautiful moon shining above us in order to start off testing our new camera lens. It is being a while since we finally got to the conclusion that “depth” was precisely the characteristic that was missing in our night shots. More to come.

For now and to celebrate this beautiful dusk today I decided to post two shots taken with my iphone. And because night and day brings me Frank Sinatra, why not close this post with a “petite cadeau” from the master? 🙂

There you are: first, the shots…

… Moonlight as of October 29th and sunset as of October 30th – both taken from a balcony at Brooklin, Sao Paulo, Brazil…

night-and-day-out2014… and now the master: Frank Sinatra singing Night and Day, in a version of 1957. Good evening! 🙂

Eudoxia de Barros interpreta Kabalevsky

No fim de semana tive o prazer de assistir a um dos muitos concertos da pianista paulista Sra. Eudóxia de Barros, em um dos meus cantos preferidos para ouvir piano na cidade: a sala de recitais do Museu Brasileiro da Escultura, o MuBE. No programa, um extenso colorido de tintas de compositores nacionais, aos quais a pianista dedica sua vida como intérprete, diligentemente na missão de divulgar a brasilidade de suas notas.

Das 11 peças escolhidas para compor o programa do recital, 4 delas lhes foram especialmente dedicadas pelos compositores Ernst Mahle (Tocatina), Sousa Lima (Preludio Nr. 10), Camargo Guarnieri (Estudo Nr. 10) e Antonio Ribeiro (Estudo Nr. 02).

Sua interpretação estivera brilhante e vigorosa, como em minha lembrança de outros recitais dela. Nesta ocasião, fiquei particularmente impressionada com a Sonata Opus 46, Nr. 03, composta em 1946, pelo russo Dimitri Kabalevsky (1904-1987): precisa, colorida, e vigorosa na medida em que a peça o exige. Linda interpretação! Arrancou uma acalorada salva de palmas da plateia atenta, e diga-se de passagem, bastante mais numerosa que minha experiência habitual na série de recitais de piano do MuBE.

Outra surpresa veio no bis: a Grande Fantasia Triunfal sobre o Hino Nacional Brasileiro, de Gottschalk. Bastante apropriado para a ocasião, um domingo de eleição presidencial no Brasil.

Infelizmente não encontrei no Youtube nenhuma gravação desta grande pianista executando a peça do compositor russo, então para fechar, deixo aqui com vocês uma gravação de 2001, realizada na Universidade do Arizona, com o pianista Joshua Hillmann. Boa audição!

Horowitz para sempre

Vladimir_Horowitz_1986Neste primeiro de outubro, em 1903, um músico notável nasceu em Kiev, que na época era parte do Império Russo (hoje Ucrânia). Ao contrário de outros pianistas destacados, Horowitz fez seu primeiro recital solo já com avançados 17 anos. Ele sonhava ser compositor e deu concertos apenas para ajudar financeiramente sua família durante os anos de Guerra Civil, muito embora sabe-se que durante seu tour pela Rússia, o jovem era pago em chocolates, pão e manteiga – e não em espécie. Tempos duros.

Intencionado a sair numa viagem sem volta, Horowitz começou seus concertos internacionais por Berlin, passando por Paris, Londres, e se estabelecendo finalmente em Nova York. Ele foi muito celebrado e desde o início adorado nos Estados Unidos. Não seguiu carreira como compositor mas casou-se com a filha de um grande regente da época: Wanda, filha de Arturo Toscanini. Existem sérias desconfianças de que Horowitz fosse homossexual e tenha lutado durante boa parte de sua vida para “mudar” esta orientação. Como era de se esperar para uma figura tão pública, muitas foram as investidas da imprensa para “investigar” este tema, e célebre se tornou sua resposta marota para uma delas: “Existem três tipos de pianistas: pianistas judeus, pianistas homossexuais, e maus pianistas”.

Horowitz é especialmente aclamado por sua interpretação do repertório romântico para piano. Eu particularmente acho dignas de nota suas interpretações de Schumann, especialmente o Kinderszenen (Cenas Infantis, Opus 15). Ah, e o que dizer da habilidade incrível entre fortíssimos e pianíssimos na Polonaise (em A bemol maior, Opus 53 “Heróica”) de Chopin? Encontrará a Sonata para Piano de Mozart (C maior, KV 330) melhor acolhida do que as mãos e a sensibilidade de Horowitz? Acho pouco provável, e a ela meu entusiasmo com seu repertório marcante se juntaria a uma longa lista de outras citações que desenharam minha vida de ouvinte amadora.

A crítica especializada considera até hoje – mais de 80 anos e de 100 outras gravações mais recentes – a gravação da Sonata de Franz Liszt (B menor) , feita por Horowitz em Londres (Studio Abbey Road, 1932), como insuperável.

Fecho este post de 111 anos de um dos meus principais ídolos na música de concerto, com esta gravação de 1932, aqui transferida do original de 78 rpm. Happy Birthday, Mr. Horowitz!

 

Daniel Barenboim – A Music Ambassador

For concert music fans, the conductor and pianist Daniel Barenboim is by far one of the most celebrated. Both brilliant musician and a controversial character. Piano player, conductor, music director, professor, writer, and owner of an externes list of awards and recognitions. Born to a jewish-russian family in Argentina, in 1942, he is also well known by being a resolute critic of the Israeli occupation of Palestinian territories.

His music interests me a lot, but I am also specially fan of his writing and thoughts about music and life. When researching another theme, I happened to find out this interview he gave to “The Frost Interview” in 2013. I thought you might be delighted to check it out!

Música de câmara na metrópole

Grata surpresa na agenda do final de semana paulistano, fiz meu debut no SESC Santana, para um concerto do Quarteto Leipzig, considerado nos dias de hoje um dos melhores do mundo. No programa, um repertório recheado de criações para quarteto de cordas por compositores russos:

  • Arthur Lourie (1892-1966). Suite para Quarteto de Cordas Nr. 3
  • Igor Stravinsky (1882-1971). 3 Peças para Quarteto de Cordas
  • Dimitri Shostakovitch (1906-1975). Quarteto de Cordas em C menor Nr. 8, Op. 110
  • Aleksander Borodin (1833-1887). Quarteto de Cordas em D maior, Nr. 2

Mais recentemente tenho ouvido menos música de câmara do que gostaria e fiquei bem impressionada com todas as obras. Mas a peça do Borodin me encantou particularmente.

Aleksander Borodin, compositor e, quem diria, médico e químico russo, se considerava um “músico domingueiro”. É  bem verdade que ele dedicou sua vida à medicina e à química, tendo inclusive fundado uma escola de medicina para mulheres, em São Petesburgo. Mas o lirismo do primeiro movimento de seu quarteto de cordas número 2 é notável, e a obra como um todo, sublime de ponta a ponta. Vale conferir.

Musical Sudoku

My friends do know I am passionate about resolving sudoku puzzles. Maybe not as much as I am about concert music nevertheless. So they just sent me one of those interesting ideas combining both worlds: a musical sudoku! I found it super cool and here I am sharing it with you at LesAmis. Have fun!

musicsudoku

 

 

 

 

 

 

 

 

Rules:

  • You can use the notes C-C#-D-D#-E-F-Gb-Ab-Bb-B
  • No enharmonics
Credit: Music Whiz’s Blog! (http://musicwhizs.blogspot.de)

What kind of leader are you?

This is about lessons for leaders. But what makes it unique is its charming argument: Mr. Itay Talgam, an israeli conductor and consultant, establishes parallels between 6 of the great 20th century conductors and leadership styles.

You may find of special interest the one official talk attached to this post – it was made during a TED Conference held back in 2009. Its lessons are universal and still perfectly up to date!

At first it occurred me that I should post this to my Business blog, but its connection to music is so close that LesAmis seems actually more suitable to accommodate this discussion.

Now, reserve some time to watch the video. Enjoy!

** O Video com legendas em português (Brasil) está disponível aqui.